Acredito que este post será útil para muitos profissionais. Se você está lendo, já é um sinal de que tem interesse em melhorar seu currículo e alcançar a próxima etapa em sua carreira de arquiteto. Seja seu objetivo conquistar o primeiro emprego ou chegar a cargos mais elevados, esta ferramenta é normalmente uma das primeiras impressões que o empregador tem de você, e você já sabe que a primeira impressão é a que fica. Este é um guia passo a passo para a construção ou reconstrução de seu currículo, baseado em estudos desenvolvidos pela Projetou ao longo do último ano.

O currículo sozinho não conquista vagas de emprego, porém, é um artifício fundamental em um processo seletivo para garantir que você avance para as próximas fases, e por isso, deve ser feito com muito cuidado e conhecimento para que desempenhe seu papel com eficiência. Ele deve ser único e personalizado, um currículo desenvolvido para atrair empregadores na área de interiores pode não ser ideal para aqueles focados em obras, por exemplo.

Sem dúvidas a conquista de bons empregos é difícil em qualquer segmento, porém a arquitetura tem suas peculiaridades. O mercado está saturado a tempos e as oportunidades são raras.

Com o excesso de profissionais no mercado, você deve se atentar em se tornar não somente melhor, mas mais destacado que a concorrência. Você deve se imaginar como uma empresa em busca da venda de seu produto em um mercado concorrido. Primeiro deve-se ter um produto de qualidade, e então criar toda a estratégia de marketing para divulgá-lo da maneira correta.

O currículo se comporta como um anúncio publicitário, o cliente – ou empregador em seu caso – recebe centenas deles todos os dias e os lê de forma rápida e objetiva. Convencer um cliente a comprar um produto em uma única etapa, com anúncio rápido, é extremamente difícil e exige técnicas especiais, assim como convencer um empregador a convocá-lo para uma entrevista de emprego.

Ao longo deste post vou mostrar como expor seus conhecimentos de forma estruturada e inteligente, aumentando significativamente suas chances de avançar para as próximas etapas nos processos seletivos. Vamos lá!

CONTEÚDO

Começaremos este guia com o conteúdo do currículo ideal. É por onde você deve iniciar sua estruturação e montagem. Abordaremos aqui o que deve e o que não deve ser colocado em cada item, e quais informações que realmente demonstram seu potencial de forma direta e objetiva.

A maior dificuldade que encontro ao analisar currículos de arquitetos é o resumo correto das informações. É comum encontrarmos excesso de informação na tentativa de impressionar o empregador, mas que têm efeito inverso. Dados inúteis à vaga específica criam uma dispersão na leitura levando ao desinteresse, além de dificultar o entendimento do que realmente importa.

Comparemos novamente o currículo a um produto. Um vinho, por exemplo, independente de sua qualidade, é muitas vezes julgado e comprado pela embalagem ou rótulo, afinal, é o que o cliente tem contato antes da compra. Os rótulos com design mais eficientes são aqueles que conseguem transmitir perfeitamente a qualidade do produto, mas sem exageros. O excesso de informações em um rótulo pode confundir o cliente, diminuindo sua eficiência de vendas. O tipo de uva, o ano da colheita, a região e as características mais marcantes do vinho são quase sempre expostos na embalagem, outras informações muito específicas ou desinteressantes, como por exemplo o método de fabricação, o teor de certas substâncias químicas, e outros, são normalmente suprimidos (a não ser quando obrigatórios).

O currículo é, de certa forma, sua embalagem, e deve seguir os mesmos aspectos de conteúdo e design. Se atenha ao essencial e àquilo que realmente te valoriza para o cargo específico.

COLETANDO INFORMAÇÕES

A primeira prática na montagem de um currículo é reunir/coletar todas as informações de sua carreira e colocá-las em um arquivo de texto. Nesta fase ainda não é necessário filtrar o que é importante ou não, nem resumir informações. Aqui o importante é a quantidade. Escreva e separe tudo aquilo sobre sua formação, ensino, experiências profissionais, softwares que domina, estágios, cursos complementares, etc. Lembre-se de conseguir detalhes como: a data de cada evento; nomes e informações das instituições de ensino ou empresas nas quais você tenha trabalhado, e assim por diante.

Ressalto que você ainda não estará criando seu currículo, mas sim um banco de dados estruturado. É importante a realização desta etapa com calma e precisão, é comum esquecer certas conquistas ou experiências na carreira, o que pode levar a um currículo incompleto.

Com todas as informações arquivadas e distribuídas, chega então o momento de organizá-las e ordená-las por categoria e data, a segunda etapa do processo. Recomendo a divisão nas seguintes categorias, essenciais para a maioria dos empregadores:

  • Dados pessoais
  • Experiência Profissional
  • Habilidades técnicas importantes para a vaga
  • Formação Acadêmica
  • Cursos complementares e Idiomas
  • Portfólio

Depois de organizadas as informações, começaremos a filtrá-las para criar o conteúdo do currículo. Recomendo que crie outro arquivo de texto, específico para as informações resumidas e filtradas, que será seu esboço inicial. Discutiremos a seguir cada aspecto do conteúdo separadamente.

DADOS PESSOAIS

Todo currículo deve apresentar como cabeçalho as informações pessoais do candidato, afinal, será com essas informações que o empregador irá te identificar durante o processo seletivo.

O que colocar

Existem dois tipos de informações primordiais que devem estar contidas nesta parte. O primeiro tipo são as informações de identificação: nome completo, idade, estado civil e endereço – que não necessita de informações detalhadas como quadra, lote, cep, etc., o objetivo é apenas identificar seu local de moradia: cidade, estado, bairro e rua são suficientes.

O outro grupo de informações são as de contato, como telefone e e-mail. É de extrema importância que você revise esses dados com cuidado, afinal, se a empresa não conseguir contactá-lo, você provavelmente estará fora do processo. Garanta que são contatos que utiliza com frequência e acompanha diariamente. Não coloque, por exemplo, endereços de e-mail que você acompanha com pouca frequência. O ideal aqui é conter um – e apenas um – número de telefone celular, um telefone fixo e seu principal e-mail. Endereços de redes sociais profissionais como Linkedin só são interessantes caso você acesse a rede com frequência para checar as mensagens e manter seu perfil atualizado.

Em processos seletivos de grandes empresas é útil adicionar sua profissão (Ex. Arquiteto e Urbanista) no cabeçalho. Isso pode colaborar com a filtragem de seu currículo.

O que não colocar

No cabeçalho não é necessário que se escreva “Currículo”, “Curriculum”, “Curriculum Vitae” ou qualquer outro. Esta informação é óbvia, desnecessária, e só ocupará espaço em seu documento.

Informações pessoais como: nome dos pais, marido, esposa ou filhos; número de documentos; data de criação do currículo; etc.

Três arquitetos com uma maquete volumétrica

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Você tem que ter em mente que os empregadores estão em busca de algo: um profissional capacitado para realizar as tarefas que a vaga exige. Uma das formas mais fáceis de identificar as habilidades de alguém é através de sua experiência profissional, por isso é o primeiro item do conteúdo de seu currículo. É comum que não haja informações para completar este campo quando se trata do primeiro emprego, ou que haja informações em excesso para profissionais de longa experiência. O correto é se ater às experiências de trabalho que tenham afinidade com o cargo pretendido.

Como tudo em seu currículo, sua experiências profissionais devem estar dispostas da mais recente para as mais antigas, sempre!

O que colocar

Recomendo colocar na primeira linha o cargo exercido/função seguido do nome da empresa. Na próxima linha a cidade e o ano/anos (Ex.Rio de Janeiro, 2017 a 2018) de atuação na vaga. Na terceira linha, descreva de forma muito objetiva sua atuação, destacando principalmente aqueles pontos relevantes para a vaga em questão.

O que não colocar

Não há necessidade de detalhar as informações da empresa (Ex. CNPJ, Endereço, etc.) e nunca coloque os motivos pelos quais você deixou o emprego, este ponto não necessita estar no currículo.

Um erro comum é colocar empregos que não tenham relação nenhuma ou não irão agregar na conquista da nova vaga.

Exemplo

Arquiteto atuando com criação de Maquetes 3D 

CFR Construtora

Goiânia, GO - 2015 a 2018

Projetos e criação de maquetes 3D utilizando Sketchup, criação de imagens realísticas utilizando o V-Ray.

HABILIDADES TÉCNICAS

Recomendo adicionar suas principais habilidades técnicas listadas por ordem de importância para a vaga. Na Arquitetura estas habilidades são extremamente importantes, e devem ser destacadas logo no início de seu currículo, principalmente se você não possuir experiência prévia de emprego na área. Um erro comum é não colocá-las em destaque, ou deixá-las por último.

O que colocar

Adicione de forma clara suas habilidades em forma de lista ou texto, sem descrevê-las para não ocupar espaço e não distrair o leitor. Coloque suas competências em Softwares (AutoCAD, V-Ray, Scketchup, Revit, Lumion, etc.), em projetos (Luminotécnico, Interiores, Detalhamentos, etc.), e em outras áreas relevantes (gestão de obras, orçamentos, aprovação de projetos/prefeitura, etc.). Lembre-se de destacar somente aquelas que você realmente domina.

O que não colocar

Evite gráficos e escalas para “medir” suas habilidades, o empregador tem interesse em saber se você é capaz de utilizar aquele software ou tem a competência de exercer aqueles pontos, colocar (80% – Photoshop) ou (93% – AutoCAD), por exemplo, não tem embasamento e pode causar confusão. Se mantenha na simplicidade e objetividade.

Nunca coloque habilidades humanas e não-técnicas como: simpático, dinâmico, etc. Estas são muito subjetivas e não agregam nada em seu currículo. Deixe para demonstrar essas características você mesmo durante o processo seletivo, se você for mesmo simpático, as pessoas irão perceber.

FORMAÇÃO ACADÊMICA

A formação acadêmica é um ponto relevante e que deve ser bem estruturado, mas sempre com objetividade. Com a premissa de o mais importante e mais recente primeiro, se você possuir uma pós-graduação, esta deve estar acima da graduação.

O que colocar

Os dados realmente relevantes são: o nome completo do curso, o nome completo da instituição de ensino com as siglas que a identificam, e a data de conclusão, ou data prevista para conclusão (quando ainda em andamento). Em caso de possuir cursos de pós-graduação, colocá-los no mesmo formato, indicando o grau de formação.

O que não colocar

Informações sobre o que foi estudado no curso, notas ou parte do histórico acadêmico, endereço ou informações detalhadas da instituição de ensino, formação de 2° grau/ensino médio – são desnecessárias para aqueles que possuem ou aqueles cursando nível superior.

Cursos complementares

Muitas vezes negligenciada, esta seção do currículo é extremamente importante, já que pode conter diferenciais concretos em relação a outros profissionais concorrentes no mesmo processo seletivo. O mais importante aqui é a organização dos cursos por ordem de importância para a vaga e a exclusão de cursos que não agregam.

Cursos práticos, que entregam habilidades concretas não são fáceis de se encontrar no mercado, principalmente na arquitetura. Um curso isolado de um software, por exemplo, não garante que você tenha as competências de utilizá-lo em situações reais, na profissão.

Outro aspecto importante é que a faculdade/curso superior por si só não entrega todas as habilidades exigidas pelo mercado de trabalho.

Por estes pontos que criamos uma escola online de capacitação real de profissionais da arquitetura para o mercado de trabalho, a Projetou (www.projetou.com.br). Onde arquitetos e outros profissionais com vasta experiência prática irão transmitir conhecimentos para que você possa ficar de fato mais próximo de uma vaga no mercado de trabalho, seja como profissional autônomo ou como funcionário em um grande escritório.

Voltando ao currículo, busque sempre expor cursos por ordem de relevância (nesta seção não é necessário organizar por ordem cronológica). Dê mais destaque ao curso e as habilidades e não utilize mais que uma linha para cada, principalmente se tiver muitos cursos de qualidade para apresentar.

Idiomas

O domínio de outros idiomas, especialmente o inglês, é fundamental para quem busca vagas em grandes empresas e se destacar no mercado de trabalho. A maioria dos grandes eventos de arquitetura e design são internacionais e fora do Brasil, além de reconhecidas universidades e cursos de pós-graduação. Se ainda não domina o idioma, nunca é tarde para começar a se aperfeiçoar.

Em seu currículo, os idiomas devem ser expostos de forma simples e direta. Não há uma maneira correta e única e expor sua habilidade em idiomas, o mais importante é ser verdadeiro. Nunca coloque “Inglês Avançado/Fluente”, por exemplo, se realmente não tiver plena capacidade de comunicação profissional em inglês.

Se não dominar o idioma é melhor deixar esta seção fora de seu currículo, e nunca coloque, por exemplo, “Inglês iniciante/básico”, até por que não colabora em nada na sua contratação.

PORTFÓLIO

Em diversas áreas da arquitetura um portfólio contendo os seus trabalhos mais importantes pode ser útil para demonstrar suas competências práticas. O portfólio não precisa estar anexado ao currículo, pode ser um link que direciona para uma página como seus trabalhos. Um site muito utilizado para este fim, onde você pode adicionar fotos, vídeos e documentos de seus trabalhos é o https://www.behance.net/.

Caso você não tenha realizado projetos, maquetes ou obras profissionalmente, mas tenha um portfólio de trabalhos realizados durante a faculdade e que sejam bons o suficiente para agregar, também é útil adicioná-los.

Cuidado, adicionar fotos e imagens do portfólio em seu currículo pode deixá-lo pesado para envio por e-mails e pode dificultar caso o empregador (ou até mesmo você) deseje utilizar o currículo de forma impressa. O link de direcionamento é sempre uma boa opção.

DICAS ÚTEIS

Design

Sempre se preocupe com o design. Profissionais da arquitetura que irão observar seu currículo são preocupados com a estética e organização, e você deve corresponder a essa expectativa. Não há necessidades de exageros, mantenha cores sóbrias e textos de fácil leitura.  

Se você dominar ferramentas de design gráfico como Adobe illustrator, Corel Draw ou afins, é uma boa utilizá-los para criar um currículo elegante. Mas lembre-se, crie primeiro um arquivo de texto simples e depois faça a diagramação do software.

Caso você não domine essas ferramentas, existem softwares muito simples, grátis e online para que você possa criar um currículo bem desenhado, um exemplo é o Canva.

O que nunca colocar

Pretensão Salarial – O salário é um acordo entre as partes e só é discutido nas fases finais dos processo seletivo.

Referências Profissionais – As referências, se solicitadas, serão apresentadas ao empregador durante a entrevista ou outra fase, não devem estar no currículo.

Habilidades genéricas ou qualidades – Informações e elogios próprios não são comprováveis e são totalmente dispensáveis no currículo: “Sou pró-ativo, educado, criativo, trabalho bem em grupo, etc.

Data e Assinatura – O currículo não deve ser assinado ou datado como outros documentos.

Cartas de referência e certificados – Cartas de referência e certificados não devem estar contidos nos currículos. Se solicitados, podem ser enviados separadamente ao avaliador.

Objetivo, “por que me contratar” ou outras frases – Não coloque nenhuma frase explicando seus objetivos profissionais de forma genérica ou por que você deve ser contratado. Este é um tema para as entrevistas. Evite clichês.